segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Uma pequena reflexão #2

Já faz um tempo que muitas pessoas não aceitam elogios verdadeiros vindo de pessoas verdadeiras. Há um medo, um desconforto ao ouvir algo que lhe é bom, que lhe é favorável, como se o elogio fosse um fardo a carregar: uma responsabilidade.

As pessoas negam seus "dons", seus dotes, suas virtudes, para mostrarem-se "humildes"; para mostrarem-se "modestas" — quase como um arrependimento pelas suas qualidades (Schopenhauer diz isso).

A modéstia tornou-se uma das maiores virtudes humanas, e o que é isso senão a negação de seus próprios valores, de sua própria vida? Isto é: a decadência do ser (que Nietzsche diz ter começado com o cristianismo). 

É notório que as pessoas aderem mais a adjetivos ruins do que bons. Vivemos em uma sociedade falsa e depressiva (não é à toa que livros de autoajuda vendem aos montes).

O objetivo

Não quero imagem
nem corpo.
Eu quero alma.

Alteridade,
profundidade,
quero alcançá-las.

Cada pessoa,
cada passagem,
são tatuagens.

Mas no exterior
é fraca a dor —
e elas somem.

Cravar um nome
por dentro
leva-se tempo.

E é lá que quero chegar,
o último patamar:
o coração.

Assim, minhas palavras
serão lembradas.
Querendo ou não.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Resenha do artigo "Gêneros textuais e (ou) gêneros discursivos : Uma questão de nomenclatura ?"

DIAS, Eliana; MESQUITA, Elisete Maria de Carvalho; FINOTTI, Luísa Helena Borges; ET AL. Gêneros textuais e(ou) gêneros discursivos: Uma questão de nomenclatura? Disponível em: <HTTP://www.eses.pt/interaccoes>. Acesso em: 22 de fevereiro de 2015.

Este artigo tem como base interrogar e explicar o uso e o motivo de alguns teóricos usarem os termos “gênero textual” ou “gênero discursivo”, algo que muitas vezes é usado ou entendido erroneamente, ou como se possuíssem o mesmo significado. Para isso, as autoras buscaram respostas e definições em obras de Bakhtin, Adam, Bronckart, Rojo e outros estudiosos.

Em apenas 12 páginas de conteúdo, é explicitado o início desta “confusão” de termos, desde as interpretações sobre linguagem de Bakhtin até os dias atuais, com outros teóricos. Explica-se aqui o que é gênero textual e discursivo, se há diferenças entre os dois, como são formados, de quê são formados e como devem ser entendidos.

Começam com a perspectiva de Bakhtin sobre o que é linguagem e como ela é formada (enunciação, polifonia, dialogismo e a própria noção de gêneros – p.144). Fica-nos claro que, para Bakhtin, o enunciado, para ser criado, precisa de uma interação entre um ser, um contexto histórico e um diálogo entre pessoas de uma mesma cultura.

Para cada situação, usamos um gênero para expressarmo-nos, e esse gênero é criado a partir de um tema, estilo e estruturação. Por isso, devemos sempre entender o momento histórico em que o texto foi criado, porque o texto sempre será o mesmo, o que mudará serão as interpretações sobre ele.

Vale ressaltar a complexidade do estilo, que é dito que quase sempre será individual, mas que, muitas vezes, dependendo do gênero escolhido para transmitir nossas ideias, devemos usar o estilo próprio do gênero.

As autoras se utilizam de Bronckart para explicarem que o texto é que forma o gênero, sendo que o texto é formado por concepções da Linguística Textual e da Gramática Tradicional (p.147), isto é, estruturação, mecanismos de textualização (coerência e coesão) e mecanismos enunciativos. Podemos dizer que esses elementos formam os gêneros textuais.

Por outro lado, os gêneros discursivos se utilizam dos gêneros textuais para “criarem vida”, ou seja, dentro de um texto há sempre as ideias de quem o fez. Um texto é formado, primeiramente, pelo discurso e pelos ideais do locutor, partindo de um tema, estrutura e estilo, cria-se o gênero, que, enfim, alcança o interlocutor.

Tendo-nos a competência discursiva, utilizamos dos inúmeros gêneros textuais para repassarmos nossas intenções da forma que queremos (ou podemos). Assim como os gêneros textuais dependem de cada contexto histórico, os gêneros discursivos dependem de um conhecimento antecipado de como se pronunciar, para quem, sobre o quê, entre outros fatores de quem os usará. Os discursos são usados a todos os momentos de nossa vida, em todas as situações proferimo-los.

Eliana Dias; Elisete Maria de Carvalho Mesquita; Luisa Helena Borges Finotti; ET AL.

Antônio Carlos da Silva Siqueira Júnior, aluno do curso de Letras, em IESA, Santo André - SP.

Abrigo

Não é à toa que amigo rima com abrigo.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Mero idealismo

Se sonhar faz bem
e causa-me alegria,
sonhar contigo
é mais que fantasia:
deixa de ser sonho
e torna-se utopia.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Análise da música "Bullets On The Altar",da banda Almah.

"Bullets On The Altar" é uma música da banda brasileira Almah. Composta por Edu Falaschi, é uma homenagem para as doze crianças assassinadas por Wellington Menezes, na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo - RJ, 2011 .

A letra é direta, com algumas questões e afirmações sobre crenças e visões religiosas. Enquanto a música inicia-se como balada (música lenta), em alguns pontos (por causa do conteúdo da letra) torna-se mais "agressiva", para mostrar a indignação do eu- lírico. Agora vamos à letra traduzida :

Balas no Altar

Nós somos realmente amados?
O que é crença e o que é crime?
Celestial? Fora da mente de alguém?

Pessoas amam, estimam
E acariciam quem elas crucificaram
Como vítimas fingimos chorar.

Tragédia, fim dos dias?
Ou é apenas a cegueira de um homem ?
Lealdade ou fanatismo?
Sem esperança, isso faz sentir-me muito solitário.

Homicídio
Crime
Um tiroteio
Agonia
Você repousa suas balas no altar.

E você morre
E você mata
Morto por dentro
Você revela
Sua aberração sob sua fé.

Tomando sonhos, tomando vidas
Tirando anjos dos braços da inocência
Prioridade, casa da dor!
Está descendo pregos na chuva fria.

Mas eu sinto o fim da tempestade
E o libertar das doze almas presas
Quando vemos as cruzes queimando para aliviar.

Contamos com o desconhecido para deixar nossa culpa de lado
Piedade não irá apagar suas mentiras
Encare a evidência de que Deus é algo para aliviar
O céu é a liberdade e o inferno é aqui.

Tomando sonhos, tomando vidas
Tirando anjos dos braços da inocência
Prioridade, casa da dor!
Está descendo pregos na chuva fria.

Mas eu sinto o fim da tempestade
E o libertar das doze almas presas
Quando vemos as cruzes queimando para aliviar.

Agora eu vejo o fim da tempestade
E vislumbro as doze almas ensinadas
Elas estão livres em algum lugar descansando nas memórias.


 //

Análise do conteúdo

Começa-se, então, com o eu - lírico fazendo várias questões sobre o que as religiões (pelo menos a maioria) pregam. Somos realmente amados por Deus? Até que ponto  as atitudes por uma crença podem chegar? O que difere um assassinato (crime) por uma questão política, de um assassinato em nome de Deus, religião ou crença? Mesmo com tais atitudes, nós ainda somos seres celestiais, criados pela mente de alguém (que é celestial também)?

Depois disso, o eu - lírico começa a descrever as más atitudes humanas (relacionando com a história de Jesus Cristo), mostrando como somos falsos. Diz que crucificamos as pessoas e, depois do feito, acariciamo-las; dizemos que amamos, estimamos e fingimos chorar. Tudo falsidade.

Na terceira estrofe há o questionamento entre o que as pessoas geralmente pensam ou dizem e o que realmente pode ser. Até que ponto a lealdade passa a se tornar fanatismo? Envolvido em tantas questões, o eu – lírico diz sentir a solidão e “puxa” a ponte anterior ao refrão da música. 

Neste ponto a música fica mais “agressiva” e relembra o que aconteceu em 2011, em uma escola de Realengo, Rio de Janeiro. O crime, os tiros, a agonia, tudo. Na frase “você repousa suas balas sobre o altar” pode-se pensar na possível ligação que tinha o assassino Wellington Menezes com a religião islâmica.

Na próxima estrofe é dito que o assassino ao matar já mostra que está morto por dentro, e coloca para fora o verdadeiro “eu”, no caso, uma aberração que existia por baixo de uma fé.

Assim, ele tirou sonhos, tirou vidas e tirou os anjos (que são as crianças, seres puros) dos braços da inocência — não só as que ele matou, mas as outras que presenciaram a cena e agonia também, pois é quase impossível alguém esquecer algum acontecimento deste nível depois de ter sobrevivido. Pode-se contar não só com a “inocência” citada, mas com os inocentes também, a saber, os pais e parentes das crianças.

Em meio a tantas coisas ruins, o eu -lírico mostra possuir esperanças (contradizendo-se, pois no 10º verso ele diz não possuí-la ) e sentir o fim disso tudo, que é quando as doze almas (o número de crianças mortas por Wellington) presas neste mundo se libertam: vemos as cruzes queimarem, ou seja, o assassino pagar pelo o que fez. Mas é dito que as cruzes queimam para aliviar, então, mesmo Wellington pagando pelo o que fez, perdendo a vida, isso não curará a dor dos entes das crianças, apenas aliviará. Termina-se o refrão.

A partir de agora a letra começa a mostrar as convicções do eu- lírico, que se mostra ser alguém cético perante os ideais religiosos. Ele diz que não aceitamos a nossa culpa e clamamos por algo desconhecido (Deus) para nos aliviar; ou ainda, como fazem alguns, colocar a razão dos fatos como planos do Divino. E termina por dizer que o céu é a liberdade e o inferno é aqui, afirmando, então, que vivemos no inferno e que é impossível sermos livres nesta vida.

Por fim, repete-se o refrão, mas com mais uma estrofe. Nela, é visto o eu- lírico que não apenas sente, mas que agora vê o fim da tempestade, observando as doze almas, agora sim, ensinadas a serem livres: livres em algum lugar, mas presas, descansando nas memórias dos que ficaram. 

//

Há algumas contradições na letra, no dizer/pensar do eu- lírico, mas isso é normal do ser humano. Somos contraditórios por natureza, pois estamos sempre mudando — algo que condiz totalmente com o ideal do álbum que se encontra a música analisada.

"Bullets On The Altar" faz parte do álbum Motion ("Movimento”, em português), assim que abrimos o encarte do álbum, vemos uma frase em inglês, do filósofo grego Heráclito de Éfeso: "You cannot step twice into the same river, for fresh water are ever flowing on to you", algo como: "Você não consegue pisar no mesmo rio duas vezes, pois águas novas estão sempre fluindo sobre você".

Heráclito nos diz que tudo passa; as águas quando passam pelo homem que se banha, não são as mesmas, e o homem também não é o mesmo; a tristeza que sentimos uma hora irá embora, o mesmo acontece com as alegrias. Assim é a vida.

Embora a letra seja baseada no massacre de Realengo, ela aborda questões muito válidas sobre as religiões e crenças em todo o mundo. Vemos na História muitos casos em que as religiões mataram muitas pessoas e continuam matando até hoje; crimes são cometidos em nomes de crenças e deuses, em nome da "verdade". Devemos refletir, mudar nossa forma de pensar e agir; escolhermos a vida ao invés da morte.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Análise do clipe e letra da música "I Want Out",da banda Helloween.

"I want out" é uma música da banda Helloween, lançada no álbum The Keepers Of The Seven Keys Part II, de 1988. Embora a letra seja simples, há uma crítica e alguns detalhes que passam despercebidos pelos ouvintes. Em primeiro lugar, vamos à letra traduzida:

 "Eu quero sair"

Desde o início de nossas vidas,
Nós somos empurrados em pequenas fôrmas,
Ninguém nos pergunta como gostaríamos de ser.
Na escola eles ensinam o que pensar,
Mas todos dizem coisas diferentes,
Mas eles estão convictos de que 
Eles são os únicos corretos.

Então eles continuam a falar e nunca param,
E em um certo ponto você desiste
E a única coisa que resta a pensar é isso:

Eu quero sair — para viver minha vida sozinho
Eu quero sair — deixe me ser
Eu quero sair — para fazer as coisas do meu jeito
Eu quero sair — para viver minha vida e ser livre.

As pessoas me dizem A e B
Elas me dizem como eu devo ver
As coisas que já me parecem claras.
Então eles me empurram de um lado ao outro,
Eles me empurram do preto ao branco,
Eles me empurram até que não haja nada mais para ouvir.

Mas não me empurrem demais
Calem-se e saiam daqui
Porque eu decido como as coisas vão ser.

Eu quero sair — para viver minha vida sozinho
Eu quero sair — deixe me ser
Eu quero sair — para fazer as coisas do meu jeito
Eu quero sair —- para viver minha vida e ser livre.

Há um milhão de maneiras de ver as coisas na vida
Um milhão de maneiras de ser um idiota.
No final, nenhum de nós está certo
Às vezes nós precisamos ficar sozinhos.


Não, não, não ... Me deixe sozinho.
//


//

A letra é muito simples e o clipe segue-a fielmente, mas há algumas questões que devem ser refletidas ao invés de somente assistidas.

No início do videoclipe, o vocalista Michael Kiske aparece sentado e abre a boca, então, a câmera a adentra e a música começa a ser cantada. Isso mostra que todos os pensamentos da música são conflitos internos do personagem.

Como já citado, o clipe acompanha a letra rigorosamente. Assim, é visto os integrantes da banda empurrando o Kiske para uma caixa. Na vida, existem as doutrinas religiosas, a política, as leis, as morais, as tradições, etc. Todas elas são fôrmas que empurram as pessoas desde que elas nascem; para livrar-se, é preciso refletir, pensar além e o mais difícil: agir.

O refrão é um grito que todos em algum momento da vida já sentiram ou o deram. Quem nunca teve vontade de livrar-se de algo, de ficar sozinho, de fazer as coisas por conta própria à sua maneira? 

Percebe-se que em muitas passagens a banda está em um deserto (ou algo parecido), isto acontece porque o deserto tem o significado de solidão. Para o ser questionar-se assim, ele sente-se sozinho. Em certas partes da música o eu-lírico chega a pedir a solidão.

Por outro lado, sempre que a câmera volta ao "mundo real", o vocalista não fala nada — algumas vezes, soluça. Quantas vezes as pessoas se sentem incomodadas com algo, reclamam "por dentro", mas por fora aparentam estarem bem? É o mesmo caso. O soluço seria a vontade de gritar para o mundo o que sente e pensa, porém essa vontade e voz não saem.

De resto, o clipe segue a letra, com os membros jogando o vocalista de um lado ao outro, nunca o deixando sozinho, até que ele diz o que pensa na última estrofe. No último verso, seguido de vários "nãos" (que demonstram o conflito interior, pois se ele estava sozinho, não havia com quem conversar e discordar), pede-se a solidão.

Voltando a cena para o mundo real, o vocalista faz um gesto de zombaria para quem está olhando/assistindo, como se dissesse: "O que foi? Assustador? Não imaginava que esta é a minha vontade?". E no clipe ainda aparece uma frase, no último segundo: "And so?", que seria algo como "E então?" ou “E depois?”, questionando se o eu-lírico ou quem assiste e sente o mesmo continuará só na vontade de sair e se livrar, ou se realmente o fará.

O vídeo foi interpretado como um indivíduo com problemas, mas pode-se pensar na questão social também. O ano era 1988 e a banda é alemã. Nesta época ainda existia o Muro de Berlim, que separava a Alemanha em duas: "oriental e ocidental; metade comunista, metade capitalista". Talvez, poderia ser a ideia da banda sobre a vontade da nação em ser "livre", em ser única, em deixar de ser vigiada e imposta por ideais de outros países.


Por fim há quem diga que a letra mostra a vontade do guitarrista fundador e principal compositor da banda, Kai Hansen, deixar o grupo. O que realmente aconteceu pouco tempo depois, sendo o The Keepers Of The Seven Keys Part II o último álbum com sua participação.